Vitória de olho em jogadores do Bahia



2010 ainda nem começou mas o Vitória já esta se articulando para montar um time forte. E dois prováveis reforços podem surgir do rival tricolor. O primeiro a ser procurado foi o zagueiro Nen e, na semana passada, foi a vez do volante Leandro. Procuradores dos jogadores foram contactados e as conversas devem progredir, principalmente com relação a Leandro. Em entrevista a Rádio TUDO FM 102, o presidente do Vitória, Alex Portela Jr. negou que tivesse interesse em qualquer jogador do Bahia. Resta aguardar pra ver o que vai acontecer. Este ano o rubro-negro levou vantagem no BAVI das contratações. Três jogadores que estavam certos de ir para o Fazendão apareceram no Barradão: Roger, Neto Berola e Nino Paraiba.

Vitória vence o Náutico de virada por 3 a 1



Leandrão e Jackson saíram do banco de reservas na segunda etapa e garantiram o triunfo do Vitória, de virada, sobre o Náutico, por 3 a 1, no Barradão, neste domingo, pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro. O resultado mantém vivo o sonho dos baianos de brigar por uma vaga no G-4 na reta final da competição, enquanto complica ainda mais a situação dos recifenses, que perderam a oportunidade de ganhar uma posição na tabela e dar um passo importante para escapar do rebaixamento.

Apesar da superioridade dos rubro-negros, que chegaram a perder um pênalti, com Roger, na primeira etapa, Bruno Mineiro abriu o placar para os alvirrubros, no primeiro minuto do segundo tempo. Mas, após a expulsão do zagueiro Vágner Silva, Leandrão, duas vezes, e Jackson marcaram para o Leão.

Os comandados de Vagner Mancini são os nono colocados, com 44 pontos, cinco a menos que o quarto, o São Paulo. O Timbu segue ameaçado, com 29, na 18ª posição.

As equipes voltam a campo no sábado. O Vitória enfrenta o Atlético-MG, no Mineirão, às 18h30m (de Brasília), mesmo horário em que o Náutico recebe o Barueri, nos Aflitos.

Confira a classificação e os jogos do Brasileirão 2009

Oportunidades desperdiçadas

A primeira ameaça do Vitória aconteceu aos 11 minutos do primeiro tempo. Em boa jogada pela direita, Nino Paraíba fez o cruzamento para a área, e Ramon cabeceou, para a defesa de Gledson. Novamente pelo flanco direito, aos 16, Nino avançou e foi derrubado por Michel. A arbitragem assinalou o pênalti, apesar dos protestos dos recifenses, que pediam que fosse marcada falta fora da área. Na cobrança, Roger chutou no canto direito de Gledson, que escolheu certo e evitou o gol.

Aos 30, foi a vez do Timbu desperdiçar uma chance incrível de marcar. Em contra-ataque veloz, Carlinhos Bala ficou cara a cara com Viafara, mas chutou rasteiro, e o goleiro rubro-negro defendeu com o pé.

Aos 35, Roger recebeu na entrada da área, cortou o zagueiro alvirrubro e chutou colocado, buscando o ângulo esquerdo de Gledson, mas a bola subiu demais e saiu pela linha de fundo. Logo em seguida, aos 38, os visitantes viveram um novo sufoco. Em bola levantada na área, Gledson tentou se antecipar a Roger, mas não conseguiu, e o atacante, de cabeça, carimbou o travessão. No rebote, Gláucio chutou de primeira, e Vagner Silva salvou, quase em cima da linha. O time do técnico Geninho só pôde respirar aliviado quando Cláudio Luiz afastou o perigo.

O Leão ainda teve boa chance aos 45, quando Nino Paraíba chutou de esquerda de fora da área, e a bola saiu por cima do gol, tirando tinta do travessão.

Surpreendido, Leão consegue virada

Se terminou a primeira etapa pressionado, o Náutico voltou do vestiário decidido a mudar a história do jogo. Foi necessário pouco mais de um minuto para Bruno Mineiro aproveitar a boa jogada do Timbu pela esquerda, receber na área e chutar duas vezes para abrir o placar.

A reação do técnico Vágner Mancini veio aos 12. Saíram Roger - sob vaias - e Vanderson, para as entradas de Leandrão e Neto Berola. Antes que as alterações no time baiano surtissem efeito, os recifenses ficaram com um homem a menos em campo. Aos 14, o zagueiro Vágner Silva fez falta dura em Ramon na intermediária e foi expulso sem sequer receber o cartão amarelo.

Mas Mancini teve que esperar pouco pelos frutos de suas alterações. Aos 17, Leandrão aproveitou o cruzamento de Nino Paraíba e, de cabeça, empatou o jogo. Enquanto os rubro-negros comemoravam, os alvirrubros reclamavam de falta do atacante sobre Cláudio Luiz.

A virada baiana veio aos 35. Em mais uma jogada com interferência direta de Mancini, Jackson, que havia acabado de entrar no lugar de Gláucio, fez o passe para Leandrão se antecipar à zaga e desviar de esquerda para marcar o segundo.

A tabela se repetiu, no sentido inverso, aos 46. Na entrada da área, Leandrão recebeu a bola, fez a proteção e rolou para Jackson chegar chutando para o fundo das redes, consolidando a vitória rubro-negra.

Vitória contrata Pelezinho

O Vitória assinou contrato com o jogador Pelezinho, de 19 anos, por dois anos. O presidente Alexi Portela Jr. está apostando no lateral esquerdo que foi um dos destaques do Campeonato Baiano 2009 atuando pelo Ipitanga.


Rafael Reis dos Santos “Pelezinho”, surgiu para o futebol aos 16 anos de idade, na seleção sub-17 de São Francisco do Conde, quando disputou uma competição da Federação Bahiana de Futebol. Descoberto pelo presidente do Ipitanga, Renato Brás, o atleta iniciou a carreira profissional na divisão de base do Ipitanga, onde fez seu primeiro contrato ainda na categoria Junior.

Recentemente Pelezinho foi procurado por empresários para seguir para o futebol paulista, especificamente o Santos seria o destino, mas o Vitória chegou na frente e decidiu investir no jovem talento.

Oração para os incolores

SENHOR,
SEI QUE O MEU TIME É OTÁRIO
MAS PORQUE TIVE QUE ENFRENTAR O FERROVÁRIO?

MINHA SANTA BERNADETE,
REZEI PRA TODOS OS SANTOS
E ACABEI TOMANDO SETE!

SENHOR,
SE TENHO 2 ESTRELAS
PORQUE SÓ FAÇO BESTEIRAS?
SE NASCI PRA VENCER
POR QUE SÓ FAÇO PERDER?

SÃO JUDAS TADEU,
SE DEU ESTÁDIO AO VITÓRIA
POR QUE NÃO ME DEU?

SENHOR,
ESTAMOS DE PERNAS TORTAS
AGORA VEM O ÚLTIMO COLOCADO
QUE É O BRASIL DE PELOTAS?
MINHAS ESTRELAS NAUM BRILHAM NENHUMA
AINDA TEREI QUE ENFRENTAR O CRICIÚMA?

SENHOR,
NESSE ÚLTIMO JOGO
SÓ GANHAMOS PORQUE APELAMOS
DEVIAMOS JOGAR COM 11
JOGAMOS COM 13.

NOSSA SENHORA,
NÃO NOS FECHE A PORTA
LIVRAI-ME DE NEWTON MOTTA!

SÃO AGENOR,
TENHA PIEDADE DA BAMOR.

MEU SÃO CRISPIM,
TENHA PENA DE MIM!

NOSSA SENHORA DA GLÓRIA,
FAZEI COM EU SEJA IGUAL AO VITÓRIA.

MEU SANTO PADROEIRO DO BAMBÚ,
NA SÉRIE "C" SÓ FIZ TOMAR NO CÚ!

MEU SÃO JOÃO,
LIVRAI-ME DA 3ª DIVISÃO.

MEU SÃO CLEMENTE,
LIVRAI-ME DESSA DIRETORIA INCOPETENTE.

SENHOR,
ESCUTA MINHA PRECE
POIS TANTO SOFRIMENTO
A TORCIDA NÃO MERECE
E SE PIEDADE RESTA SENHOR
SEJA MEU PATROCINADOR
AMÉM!!!

Vitória empata com Santos em 0 a 0



Santos e Vitória entraram em campo, nesta segunda-feira, no Pacaembu, sonhando com uma vaga na Taça Libertadores. Mas o 0 a 0 acabou sendo ruim para os dois times. Pior até para o Peixe. Os 30 mil santistas que pagaram ingressos para ver a equipe neste feriado, deixaram o estádio frustrados com a 13º posição, com 40 pontos. O G-4 está sete pontos à frente. Já o Leão, com o pontinho conquistado, está em 10º, com 41.

Ao fim da partida, em meio a muitas chances perdidas pelo Peixe, os torcedores vaiaram muito a diretoria. Houve até quem gritasse por Marta e Cristiane, estrelas do time feminino, que estão em grande fase na Taça Libertadores.

Peixe aperta, mas passa em branco

O Santos começou o jogo empolgado e quase marcou logo aos nove segundos de jogo, quando Felipe Azevedo desceu pela direita e cruzou rasteiro para Neymar, livre na entrada da pequena área, completar. O gol não saiu porque o atacante pegou mal na bola e mandou por cima. À medida que o jogo foi se desenrolando, porém, o que era rapidez virou pressa e Peixe começou a perder demais a bola.

Neymar, jogador mais inspirado do Peixe, tentava trocar passes com seus companheiros, mas apenas Felipe Azevedo correspondia. Os dois laterais alvinegros, Luizinho e Triguinho, tinham dificuldades até para dominar a bola. Sobretudo Luizinho, que levou os santistas à loucura, errando muitos passes.

Já o Vitória tinha uma proposta de jogo bem definida: esperar o Peixe em seu campo para explorar contra-ataques, sempre puxados por Neto Berola, que entrou no lugar de Roger, machucado, aos 25 minutos. Com essa estratégia, o Leão conseguiu criar algumas chances. Aos 29, após trapalhada de Luizinho, a equipe baiana roubou a bola. Ramon recebeu dentro da área, driblou dois santistas, mas na hora de fazer o gol, foi travado por André Astorga. Outra boa oportunidade para os visitantes aconteceu aos 37, quando Ramon cobrou escanteio na cabeça de Wallace. O zagueiro só não fez o gol porque Pará apareceu quase em cima da linha para salvar o Santos.

O domínio da posse de bola era do Santos, mas faltava acerto nos passes. Quando houve o mínimo de capricho, o Alvinegro chegou. Isso aconteceu aos 20: Pará rolou para Neymar, que dominou e abriu para Kléber Pereira. O atacante, que entrava pela esquerda, encheu o pé e Gléguer fez grande defesa. Kléber perderia outra boa chance aos 32, quando Neymar fez jogada individual pela esquerda e cruzou para o camisa 9 cabecear fraco.

Vaias para Kléber Pereira e a diretoria

O Santos encurralou o Vitória desde o início do segundo tempo. Com a entrada de Madson no lugar de Luizinho, o Peixe ganhou mais presença no ataque e passou a criar chances desde o início. Madson tentou aos 2, num chute de fora: Gléguer espalmou. Aos 12, o baixinho recebeu de Neymar e, na cara do gol, errou o chute.

O Vitória não passava do meio de campo. Estava todo acuado, tentando um contra-ataque que não vinha. E o Alvinegro seguia desperdiçando chances. Aos 22, foi a vez de Kléber Pereira mandar na trave mais uma oportunidade: ele completou, de primeira, bom lançamento de Madson e mandou a bola no poste direito.

A paciência da torcida santista com o artilheiro do time, que estava no limite, se esgotou após esse lance. Ele foi substituído aos 26 minutos e a torcida vibrou como num gol. André entrou em seu lugar. O substituto começou mal, mas aos 41 largou Neymar na cara do gol. O garoto avançou, cortou a marcação e tentou colocar, mas errou o alvo.

Com mais uma chance perdida, a frustração dos mais de 30 mil torcedores que compareceram ao Pacaembu explodiu. O alvo dos descontentes: o presidente Marcelo Teixeira. Ele e sua diretoria foram xingados pelos torcedores.


Ficha técnica:
SANTOS 0 x 0 VITÓRIA

SANTOS
Felipe, Luizinho (Madson), André Astorga, Eli Sabiá e Triguinho, Pará, Rodrigo Souto, Germano e Felipe Azevedo (Róbson); Neymar e Kléber Pereira (André).
Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

VITÓRIA
Gleguer, Apodi, Wallace, Fábio Ferreira e Leandro; Vanderson, Magal, Willian (Gil) e Ramón; Roger (Neto Berola/Elkeson) e Glaucio.
Técnico: Vagner Mancini.
Gols: .
Cartões amarelos: Triguinho, Rodrigo Souto, Germano, Neymar (Santos), Apodi, Willian (Vitória). Cartão vermelho: .
Estádio: Pacaembu, em São Paulo. Data: 12/10/2009. Árbitro: Wagner Reway (MT). Auxiliares: Hilton Moutinho Rodrigues (RJ) e Lincoln Ribeiro Taques (MT). Renda e público: R$ 263.305,00/23.673 pagantes

Vitória apresentou seu novo patrocinador



O Vitória apresentou antes do jogo desta quarta-feira o seu novo patrocinador, a Megaware, fabricante brasileira de desktops e notebooks. O contrato terá duração de três meses, mas de acordo com o diretor de Marketing, Ricardo Azevedo, existe a possibilidade de renovação na temporada de 2010.

O Vitória é a mais nova aposta da fabricante que passa a ter a Megaware como patrocinadora master até o final do Campeonato Brasileiro. “A escolha pelo clube se deu graças à solidez da equipe, além da boa colocação no campeonato que permitirá visibilidade da marca em abrangência nacional”, aponta Juliana Mattozinho, gerente de Marketing da Megaware.

Fundada em 1995, a Megaware é uma companhia integralmente nacional, produtora de equipamentos de informática tais como servidores, desktops e notebooks. A empresa tem sede localizada na cidade de Barueri (Alphaville-SP) e unidade fabril em Belo Horizonte (MG).

Nadskol - a parceria que desce redondo